Especialista em Comportamento Animal - Helena Truksa - adestramento e terapia comportamental para animais

Estamos em pleno século 21.

Tempo de explosão tecnológica e também da abertura de novos campos de trabalho…

Eu iniciei minha vida profissional na área do Comportamento Animal Aplicado no já longínquo ano de 2004, assim que me formei em Biologia pelo Instituto de Biociências da USP – Universidade de São Paulo – e após ter iniciado o processo de especialização em comportamento animal no Instituto de Psicologia da mesma universidade…

Só no IPUSP – Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, mas especificamente no Laboratório de Etologia Cognitiva, foram quase 2 anos ininterruptos de muito estudo e trabalho aprofundado científico. Sem férias, sem finais de semana. Isso sem falar nos 4 anos na Biologia que antecederam, com direito a adicionais… Porque a Ciência não descansa nunca e as respostas precisam ser reveladas o quanto antes ao mundo para que o progresso possa avançar seu caminho…

Lembro-me do grande Mestre César Ades, e de seu sorriso inapagável e carisma incomparável, cumprimentando a todos pelos corredores da Psico. Infelizmente ele já não está mais entre nós neste mundo.

Foi uma de minhas inspirações em continuar a jornada pelo universo do Comportamento Animal, e da Etologia, pois tratava dos assuntos relacionados com uma empolgação de alma que poucos possuem. Estudar os animais era sua vida. E certamente inspirou a muitos, vários inclusive meus colegas de profissão, a seguir o novo caminho que havia se aberto no Brasil…

Foi por isso que decidi trabalhar com treinamento de animais e comportamento. E na época não era uma coisa fácil, ainda mais para uma mulher. Pois aqui no Brasil, em 2004, havia apenas adestradores e pouco se falava em comportamento…. e nos aspectos psicológicos dos animais em suas relações com o ser humano… Dificuldades do PIONEIRISMO.

Lembro-me de incontáveis vezes em que clientes me telefonaram procurando por adestramento e na realidade tratava-se de casos para tratamento comportamental… A dificuldade deles em compreender que os animais também sofrem de distúrbios psicológicos era enorme. Quando eu falava em TERAPIA COMPORTAMENTAL então, parecia que estava falando grego, pois todos só conheciam ADESTRAMENTO e achavam que o adestrador é que teria que “consertar o CÃO”. E que eles mesmo nada tinham a ver com o problema vivenciado.

Já lidei com cães muito mais fortes e pesados do que eu. Com comportamentos agressivos, com ansiedade de separação, com fobias diversas, entre muitos outros casos.

E algo que aprendi nestes 10 anos, na prática e também embasada em inúmeros cursos de aperfeiçoamento que conclui e MUITA LEITURA DE QUALIDADE, é que a força bruta é completamente desnecessária quando se sabe usar a INTELIGÊNCIA. E eu mesma posso falar desta forma, pois já estive dos dois lados e em determinado momento da carreira tive contato próximo com o método denominado “tradicional” ou “militar” através de cursos que participei. Assim meu discurso não pode ser considerado preconceituoso de forma alguma.

E é aí que entra o reforço positivo (aprendizagem baseada em recompensas) e todas as suas formas de aplicação. Com resultados surpreendentes em QUALQUER ESPÉCIE ANIMAL INCLUINDO O SER HUMANO. Ninguém aprende ou muda de verdade um comportamento sob pressão ou à base do medo e da intimidação. Através de métodos que empregam punição, pode-se até obter um bloqueio temporário do determinado comportamento, mas ele não foi substituído por outro mais adequado. Porém, se ensinamos uma nova conduta mais apropriada e RECOMPENSAMOS o indivíduo por efetuar o novo comportamento, aí sim os resultados começam a se solidificar e tendem a ser duradouros. Pois forma-se uma nova associação no cérebro. E como todos os seres tendem a se aproximar daquilo que lhes dá prazer e sensação de bem-estar a tendência é que se repita com mais e mais frequência!

O objetivo deste texto é ilustrar um pouquinho da complexidade do caminho a ser trilhado por todo profissional realmente capacitado a atuar na área de terapias do comportamento animal.

Como toda profissão, não basta apenas ter prática. É necessário, além disso, ter embasamento teórico também. E um bom embasamento, proveniente de fontes realmente confiáveis. O conhecimento vai muito além do “achismo” e do “ouvi falar”. É necessário que o mesmo tenha se originado de pesquisas sérias e não apenas de tentativas. Claro que muita coisa se aprende na “tentativa-erro”, mas muitas vezes os resultados obtidos podem sofrer vieses.

Assim, não se iludam com falsas promessas de tratamentos comportamentais milagrosos para seus animais a curto prazo ou com cursos de final de semana. Pois um bom profissional não surge da noite para o dia e, sim, ao longo de MUITOS ANOS DE ESTUDO DE QUALIDADE E DEDICAÇÃO, aliados à experiência prática.

Nos dias de hoje, está cada vez mais comum o termo “ESPECIALISTA EM COMPORTAMENTO CANINO” ou ” ESPECIALISTA EM COMPORTAMENTO ANIMAL”.

Parece que todos os que aprendem a ensinar truques ou comandos de adestramento a cães se auto intitulam “ESPECIALISTAS EM COMPORTAMENTO”…

Isto se tornou um termo comercial e banalizado. Em se tratando de cães, a maioria dos “adestradores” formados com cursinho de final de semana começam a pensar que são especialistas e que podem lidar com problemas psicológicos e de dinâmica social altamente complexos. São aqueles, frequentemente, que tiveram pouca ou nenhuma experiência de manejo com os animais e que simplesmente aprendem como ensinar meia dúzia de comandos – na maioria das vezes sem conhecer ao menos os fundamentos básicos da aprendizagem em cães – e saem por aí pretendendo tratar problemas sérios de comportamento.

Como treinadores apenas, muitas vezes se saem bem, mas o problema é venderem algo que exige muito mais que comandos de obediência e / ou dicas extraídas da internet. Exige muita teoria qualificada e prática. Além de um bom senso refinado.

Estas pessoas infelizmente estão se iludindo e iludindo a seus clientes, pois identificar e tratar muitos dos problemas comportamentais não é algo fácil tampouco óbvio. E também não existe RECEITA DE BOLO para resolução de problemas de comportamento…. Principalmente porque a maioria dos problemas está associada à dinâmica e às inter-relações entre os membros do GRUPO FAMILIAR em torno do animal em questão!

O que vocês acham que é realmente necessário na formação de um profissional que irá atuar NO AMBIENTE FAMILIAR de sua casa?

Frequentemente estes “profissionais” cobram pouco, em comparação aos efetivamente preparados e competentes.

E as pessoas caem no “conto” do preço baixo. E levam baixa qualidade para casa. Com resultados péssimos… ou sem nenhum resultado. Ou pior ainda: COM O AGRAVAMENTO DOS PROBLEMAS JÁ INSTALADOS OU O SURGIMENTO DE NOVOS PROBLEMAS!!

Portanto, se você é tutor e está precisando contratar um profissional para ajudar a modificar o comportamento de seu animal, por favor, seja CONSCIENTE E RESPONSÁVEL, pois você está colocando a VIDA de seu bichinho nas mãos desta pessoa, que por mais que não a ceife, pode deixar sequelas emocionais graves e de difícil reparação posterior, caso a abordagem do caso seja inadequada.

E se você é profissional da área, ou está ingressando agora, seja RESPONSÁVEL e prepare-se adequadamente, com os cursos de longa duração, com estágios de várias horas e não deixem de se atualizar através de boa leitura e também de cursos extras sempre com equipes e profissionais QUALIFICADOS PARA TAL (verifique a formação e o histórico dos professores).

Fica a dica!

Helena Truksa
Bióloga formada pela USP – Especialista em Comportamento na Ethos Animal desde 2004
www.helenatruksa.com.br